Abaixo com os filos!

(parte 2 de uma postagem dividida em duas partes)

Todos nós usamos muletas, figurativamente, é claro. Uma muleta é um objeto ou, nesse caso, um processo mental que te ajuda a enfrentar uma dificuldade passageira. A palavra fundamental aqui é essa: passageira.  Todo mundo concorda que apesar dos seus benefícios as muletas, literais ou figuradas, devem ser abandonadas mais cedo ou mais tarde, se você quiser realmente progredir e alcançar níveis mais elevados. Isso tudo é muito bonito, lugar comum em tudo quanto é palestra motivacional e livro bobo de autoajuda. Mas, mais uma vez, é muito mais fácil falar do que fazer. Continuar lendo

Biologia é zoologia, que é física, que é matemática

Estou me preparando há um tempo para escrever uma breve nota acerca de um assunto que, deliberadamente, nunca abordei aqui neste blog, a saber: a oposição orientada pela religião ao ensino de ciências, especificamente ao ensino da biologia evolutiva. Deliberadamente porque, em primeiro lugar, nunca tive paciência para discutir delírios e misticismos. E, em segundo lugar, as pessoas que frequentam este blog não precisam (assim penso) de tais discussões. Contudo, sempre chega o momento em que a gente tem que falar duas ou três palavras sobre o criacionismo e outras bobagens semelhantes. Continuar lendo

Étimos biológicos

Minha professora de grego, extremamente competente e profunda conhecedora de seu ofício, não perdia uma chance de, durante as traduções que fazíamos em sala, me perguntar se eu falava para os meus alunos a respeito do significado de tal ou tal palavra relacionada à biologia que aparecesse nos textos. Ela sabia que eu era professor de biologia e, como de costume, sabia da imensa quantidade de termos técnicos de origem grega utilizados em biologia (e nas ciências em geral). Aliás, esse é um dos meus passatempos favoritos, que, devo confessar, eventualmente chega a irritar meus interlocutores (e em particular minha mulher, que costuma me dizer “isso tudo é arbitrário”): pesquisar, estudar e discutir a etimologia das palavras, suas mudanças, seus metaplasmos, seus significados originais e derivados. Continuar lendo

Ainda há quem fale em “sequência evolutiva correta”…

Lá vou eu, de novo, investir feito um Quixote contra o moinho da Scala Naturae. Esse monstro-conceito continua bastante vivo nos dias de hoje, para quem achava ser uma curiosidade histórica de uma epistemologia pré-Darwin, tanto nos falares dos alunos como nos dos professores, tanto implícita como explicitamente, tanto de forma consciente como de forma inconsciente. Continuar lendo