Gestalt: o todo é mais que a soma de suas partes

Certas alegações parecem evocar automaticamente explicações místicas ou sobrenaturais. A alegação no título desta presente nota, de que o todo pode ser bem mais que apenas a soma de suas partes, ilustra bem o caso. Nossa educação e tradição matemáticas nos impedem de perceber como isso é possível sem que tenhamos de partir para as explicações místicas, pois costumamos considerar que, se um dado conjunto X é constituído pelos elementos W, Y e Z, podemos concluir apenas que X = W + Y + Z. Contudo, há situações em que a união dos elementos A e B não nos dá apenas A + B, e sim uma entidade nova, C, com propriedades particulares que não podem ser explicadas apenas pela soma das propriedades de A e B.

Chamamos isso de propriedades emergentes. Um exemplo do qual particularmente gosto para explicar as propriedades emergentes, pela sua simplicidade e elegância, é a água. Digamos que conhecemos todas as propriedades possivelmente dadas a conhecer do hidrogênio e do oxigênio, como elementos isolados. Sabemos seus espectros de absorção, suas configurações eletrônicas, seus raios, suas massas. Contudo, mesmo com todas as informações disponíveis, não somos capazes de prever como se comportará essa infindável maravilha da física e da química que é a água. Ou seja, o conhecimento das propriedades dos elementos hidrogênio e oxigênio não nos antecipa a totalidade das propriedades da água: seu ponto de fusão e de ebulição, sua natureza física, sua viscosidade, seu calor específico, seu calor de vaporização, sua coesão molecular, seu espectro de absorção, e muitas outras. O que estou alegando aqui é que a água é muito mais que a soma de dois hidrogênios com um oxigênio. Em outras palavras, que quando unimos dois hidrogênios a um oxigênio, formamos uma nova entidade com novas propriedades, propriedades essas que não podem ser explicadas ou mesmo previstas pela descrição das propriedades de seus elementos menores, constituintes.

Uma das construções teóricas que mais extensamente se apoderou do princípio de que o todo pode ser (e que geralmente deve ser) bem mais que a simples soma de suas partes foi o conceito de gestalt. Em alemão, gestalt significa algo como “forma” ou “aspecto”. O ponto central do conceito de gestalt, que nos interessará particularmente aqui, é que percebemos as entidades por suas propriedades enquanto “entidade” integral, e não pelas propriedades de suas partes isoladas. Imaginemos, por exemplo, a gestalt de um gato: todos nós somos capazes de identificar visualmente um gato, e fazemos isso nas mais diversas imagens que nos podem ser apresentadas: o gato pode estar de perfil, de frente, de lado, visto por cima; pode estar deitado, em pé, sentado, rolando, se espreguiçando, arqueado. A imagem pode ser diurna, noturna, à meia luz ou quase apagada; pode ser colorida, preto-e-branco, em tons de cinza, sépia, pode ser feita por granulados, pontilhada, ou tracejada ao estilo dos impressionistas. Ainda assim, somos capazes de identificar um gato se houver um na imagem. Fazemos isso não porque percebemos o rabo do gato, ou o aspecto da sua orelha, ou o desenho particular de seu focinho; fazemos isso porque percebemos o gato como um todo, percebemos sua gestalt. Essa, por sinal, é a grande dificuldade dos programadores de criar algoritmos de busca que sejam capazes, por exemplo, de perceber que uma foto (um arquivo digital) contém um tigre, mesmo que não haja nenhuma informação sobre isso no título do arquivo ou em sua descrição. Geralmente os programadores instruem o programa a procurar por aspectos distintivos de um tigre, seu formato, seus padrões listrados, sua cor. Porém, o programa costuma falhar miseravelmente se o tigre estiver numa pincelada impressionista, ou se estiver numa posição incomum, ou se for uma caricatura, como o Haroldo (ou Hobbes…) de Calvin. Um ser humano, por outro lado, identifica facilmente um tigre por sua gestalt, que não depende desses aspectos restritivos.

Logomarca da Word Wildlife Fund (www.wwf.org.br). As partes escuras da imagem não são identificáveis isoladamente. Percebemos o panda não por suas partes isoladas, mas pelo efeito total criado pelas áreas pretas e brancas.

O primeiro contato que tive com o conceito de gestalt foi ao ler os “Fundamentos de etologia”, de Konrad Lorenz. Aliás, em praticamente todos os seus livros, Lorenz é um ativo defensor de que o todo é mais que a soma das partes, e não se cansa de repetir isso. Há um livro excelente dele, escrito num campo de prisioneiros russo entre 1944 e 1948 (algumas páginas eram feitas de sacos de cimento cortados, e escritas com permanganato de potássio) e que, em minha opinião, é leitura obrigatória para os interessados em epistemologia e filosofia das ciências. Lorenz não lhe deu um título, mas os manuscritos foram publicados postumamente com o título “The natural science of the human species”. Nele, Lorenz descreve a importância, para os biólogos e cientistas em geral, dos critérios de gestalt estabelecidos por Christian von Ehrenfels: a primazia da entidade (o “todo”) sobre suas partes, a supersomação e a transponibilidade. Uma pequena digressão: o conceito de transponibilidade me traz à mente um exemplo interessante. normalmente, quando falamos de gestalt, pensamos em percepções visuais, mas podemos usar o conceito de gestalt para outras modalidades de percepção, como a música. Tomemos uma melodia em particular: ela pode ser tocada ao piano, num violão, assobiada, ou executada por um grupo ou orquestra; pode estar em ré menor, em lá menor ou em sol; pode ser mais lenta ou mais rápida… Mas ainda assim reconhecemos a melodia, percebemos sua gestalt.

Lorenz compara os seres vivos à gestalts, porém deixando bem claro que, apesar de muitos psicólogos do início do século XX usarem os termos gestalt e entidade como sinônimos, tal uso não é adequado. O que Lorenz defende é que os organismos vivos possuem propriedades únicas, que não podem ser explicadas apenas pela soma das propriedades de seus constituintes isolados. Como estudantes de biologia, estamos acostumados a esquartejar os organismos, tanto anatomicamente como fisiologicamente (e, alguns estudantes, literalmente…). Estudamos o sistema nervoso, em seguida o sistema circulatório, mais à frente o sistema digestivo… Numa célula, estudamos a membrana, em seguida as mitocôndrias, logo depois o núcleo. É claro que, de um ponto de vista prático, não poderia ser de outro jeito: temos que dividir o objeto de estudo para estudá-lo eficientemente. Porém, o que Lorenz quer nos lembrar é que, apesar de dividirmos os seres vivos em nossa metodologia de análise, temos que manter constantemente em foco que eles são entidades integrais, completas, e que devem ser analisadas, sempre que possível, de forma holística, em sua totalidade. Isso é mais importante ainda no caso de Lorenz, que estudava o comportamento animal: o comportamento só pode ser compreendido como uma totalidade, assim como o animal só pode ser compreendido como uma totalidade.

Isso não faz de Lorenz um idealista. Na verdade, ele era um materialista confesso, daí minha simpatia por ele. Costumo dizer, de brincadeira (mas não deixa de ser verdade), que eu sou a pessoa mais materialista que conheço. É claro que o comportamento é, em última análise, devido ao funcionamento atomístico dos neurônios e suas sinapses. Não há alma ou outro conceito místico para explicar o comportamento. Contudo, não é porque o comportamento deriva em última análise da atividade dos neurônios que estamos autorizados a dizer que o estudo dos neurônios pode nos levar à compreensão do comportamento de uma dada espécie.

Essa última frase deixou claro, para quem ainda não percebeu, que o intuito dessa breve nota é mais uma vez maldizer o reducionismo. Há, sim, ramos do conhecimento em que o reducionismo é adequado, e mesmo em certas áreas da biologia ele já exerceu importantes contribuições. Porém, sou da opinião que biólogos evolutivos, e por que não dizer biólogos em geral, devem ter sempre em mente que seus objetos de estudo, seja uma célula ou uma baleia, são “entidades biológicas”, e por essa razão devem ser estudados como um todo. A divisão do organismo para estudo é uma questão pragmática e didática, mas muitos se esquecem disso e tentam explicar de forma reducionista uma série de aspectos da biologia evolutiva. Compreender os organismos como totalidades é uma tarefa muito mais árdua, da qual o biólogo evolutivo não deve se esquivar.

6 comentários sobre “Gestalt: o todo é mais que a soma de suas partes

  1. A Biologia pode ser definida como o conjunto de todas as ciências,bem elaborada ,conclui várias teorias muitas não literal e muitas literal.A

  2. Compreendo que se queira chão em tudo o que é ideias e conhecimento. Acho que na ciência se tem falhado sistematicamente por paradigmas limitadores sem que o sujeito tenha noção que a sua mundividência é um reflexo do seu paradigma. O reducionismo, sendo de utilidade, será a primeira falha grosseira ao limitar-se tudo à redução e ao corte do bisturi. O utilitarismo, sendo de valor, será a segunda falha grosseira ao limitar tudo à sua utilidade e função, valorizando assim. A negação, sendo valiosa para a clareza e ordenação, será a terceira falha grosseira em que se não é visível, definível e mensurável face aos nossos métodos ou teorias simplesmente perde o direito à existência. Não é fora do comum escutar barbaridades como “se não é mensurável então não existe”. Continuamos a observar o mundo como corcundas. “Vemos” uma pinha fechada no chão e pouco depois “sentimos” molhado nas costas. “Vemos” uma pinha aberta e “sentimos” calor nas costas. Realizamos esta experiência milhares de vezes e bate sempre certo, fazemos revisões de pares e validamos a experiência incontáveis vezes, fazem-se tratados, postulam-se teorias bem assentes e fundamentadas e torna-se prova irrefutável e comummente aceite que as pinhas originam a chuva quando fecham e o sol quando abrem, não há mais discussão aqui. Se houver um que não seja corcunda, olhe para o céu, indague novas questões, será sempre enxovalhado por falta de pares que nem tão pouco entenderão a palavra “céu” e o atribuirão automaticamente ao mundo da fantasia. A negação da ignorância e a afirmação do conhecimento limita-nos o mundo e a possibilidade de entendimento deste. Entendemos o que conhecemos, desde que filtrado como entendemos e encaixe no que vemos/percebemos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s