Psicologia evolutiva, oogamia, homossexualidade e outros assuntos

Em seu livro escrito num campo de prisioneiros russo (intitulado postumamente como “The natural science of human species”, mas que eu chamo simplesmente de “Manuscrito russo”), Lorenz defende uma união das psicologias em suas várias abordagens, uma união que se dê no seio de uma ciência mais abrangente, na qual as psicologias (o plural aqui é proposital) seriam inseridas, e essa ciência mais abrangente seria a biologia. O que Lorenz propôs não foi uma subordinação das psicologias à biologia, muito menos que se implementasse na psicologia esse tão nefasto e indesejável fenômeno chamado reducionismo (vale lembrar que Lorenz era um incansável crítico do behaviorismo e de seu reducionismo positivista). O que Lorenz propunha, isso sim, é que as psicologias entendessem o ser humano como uma entidade natural, dentro de um mundo orgânico evolutivamente formado e diversificado. A mente humana, bem como a mente de outros mamíferos, não pode ser “reduzida” ao funcionamento de seus neurônios; apesar disso, dentro de uma perspectiva materialista, a mente dos animais (o homem incluído), por mais complexa que seja, resulta de processos biológicos. Freud tece uma opinião semelhante (até certo ponto…) em seu “Projeto para uma psicologia científica” de 1895.

Quando comecei a ouvir falar da psicologia evolutiva (ou P.E.), pensei que essa pudesse representar uma possível aproximação da psicologia com a biologia de forma geral, algo como uma etologia humana que não fosse propriamente uma etologia, e que tivesse seus paradigmas subordinados à psicologia de forma geral: em suma, uma vertente da psicologia que ensaiasse o movimento defendido por Lorenz, que aproximasse a psicologia da biologia. Contudo, o que vejo hoje é uma vertente da psicologia que não agrada os psicólogos e nem utiliza corretamente os conceitos da biologia evolutiva.

Penso que uma psicologia evolutiva que valesse o nome devesse ser, antes de tudo, uma psicologia que compreendesse a conexão histórica entre os organismos desse planeta, ou seja, suas ancestralidades comuns, e que percebesse que certos comportamentos (assim como as características morfológicas) presentes em dois organismos distintos, sejam da mesma espécie ou de espécies diferentes, podem ser homólogos (ou seja, que tal comportamento se encontrava presente no ancestral comum). Além disso, deveria ser uma psicologia que compreendesse que características podem ser alvo de exaptações, exercendo assim uma função bem diferente da função primordialmente executada, quando tal caráter surgiu. Finalmente, mas muito importante, que compreendesse que nem todas as características são adaptações, e que assim sendo uma boa quantidade de comportamentos não têm função alguma, ou até mesmo são disfuncionais.

Porém, o que se vê é uma psicologia evolutiva estranhamente fascinada pelo pleistoceno (época do período quaternário, que vai de 1,8 milhão de anos a 11.000 anos antes do presente), tecendo conclusões dificilmente suportadas pela biologia evolutiva. Por exemplo, já é lugar comum ouvirmos dizer que o comportamento do homem moderno é ainda um comportamento do homem das cavernas, adaptado às condições daquela época. Mas então por que o comportamento dos homens das cavernas não seria, similarmente, um resquício do comportamento dos hominídeos do plioceno (época anterior)? Se os hominídeos tiveram tantas mudanças morfológicas nos últimos 1 milhão de anos, porque não mudariam psicologicamente? Outro exemplo: os homens têm tal e tal comportamento porque eram caçadores, enquanto as mulheres têm tal e tal comportamento porque cuidavam dos afazeres domésticos. Mas essa divisão de trabalho é bem recente: os hominídeos ancestrais, e esses mesmos oriundos de ancestrais bem mais antigos, não tinham essa divisão de trabalho. Compreendo que a psicologia evolutiva busque um “comportamento humano universal”, mas por que esse comportamento teria que ter se estabelecido há 400 mil anos? Por que não há 1,5 milhão de anos? Ou há 3 milhões de anos? Apesar disso, o que mais me desagrada na psicologia evolutiva é algo que não depende dos psicólogos evolutivos em si, mas de como a população leiga vê as alegações da psicologia evolutiva. Já escrevi um post anterior sobre as falácias naturalistas (ou, melhor dizendo, as falácias do apelo à natureza), e esse me parece ser o problema: as conclusões da psicologia evolutiva não apenas explicam, mas justificam uma série de comportamentos humanos. Para muita gente essas alegações são reconfortantes, pois elas passam a pensar que são assim “porque ser assim é uma coisa natural”, e pronto! Temos, aqui, uma amenização da culpa por um comportamento: o ciume é um resquício do pleistoceno, os comportamentos de violência sexual (estupros) são um resquício do pleistoceno etc.

Há um interessante artigo da Scientific American sobre esse tema, que inclusive já conta com réplicas de psicólogos evolutivos. Quero deixar bastante claro que, apesar de discordar desses paradigmas da psicologia evolutiva, considero a psicologia evolutiva uma ciência e não uma pseudociência, e portanto considero os psicólogos evolutivos cientistas; desta forma, eu imagino que, sendo cientistas, eles estão abertos e preparados para o debate científico, que em última análise é o que move nosso ramo do conhecimento. E, a partir de tais debates, que eles possam eliminar o que há de equivocado na psicologia evolutiva, e que possam construir uma psicologia evolutiva mais adequada e coerente. Logo, quem quiser defender a P.E. ou discordar de alguma opinião anterior, sinta-se mais que convidado a deixar um comentário mais abaixo.

Como havia dito, comportamentos podem ser compartilhados por herança comum, e podem ser tão bons quanto características morfológicas para a construção de filogenias. Creio que, ao invés de justificar um dado comportamento, a compreensão de seus padrões de homologia pode servir para que possamos entender as estratégias evolutivas que modularam aquele comportamento e para que possamos estabelecer uma comparação etológica entre grupos distintos.

Vou tentar exemplificar essa minha alegação:

Vamos voltar ao passado para um momento bem anterior ao pleistoceno; na verdade, voltaremos para um período anterior ao surgimento dos primeiros cordados. Supõe-se que, quando surgiu a reprodução sexuada com fecundação dos gametas, esses eram de mesmo tamanho e formato (o que se chama isogamia). Contudo, em um determinado grupo, os gametas passaram a apresentar diferenças notáveis: um deles continha material nutritivo e era portanto bem maior, sendo chamado de gameta feminino. O outro se reduziu até ser praticamente um núcleo natante, sendo chamado de gameta masculino. Essa distinção morfológica entre os gametas é denominada Oogamia. Todos os animais são oogâmicos, oriundos portanto de ancestrais que já eram oogâmicos. Nesses organismos oogâmicos uma estratégia reprodutiva se torna bastante clara e inegável: a fêmea produz poucos gametas, ao passo que o macho os produz em número bem maior. Para a fêmea, portanto, é importante escolher com critério o macho que terá oportunidade de fecundar seu gameta; para o macho, por outro lado, faz sentido tentar fecundar o maior número possível de gametas femininos.

fecundação

diferença de tamanho entre um gameta masculino (em amarelo) e um gameta feminino, em Homo sapiens (imagem: Dennis Kunkel)

O que temos aqui não é uma justificativa dos comportamentos masculino e feminino, nem uma simplificação, muito menos um reducionismo: o fato é que, com base nas diversas estratégias reprodutivas que a seleção poderia ter favorecido, é vantajoso para a fêmea escolher o macho, e é vantajoso para o macho tentar fecundar mais fêmeas. Modelos matemáticos bastante simples podem ilustrar essas conclusões. Isso tudo, perceba, é explicado diretamente pela diferença de tamanho (e, em conseqüência disso, de quantidade) entre o gameta masculino e o feminino. A esse sistema, que tem profundas implicações no comportamento da imensa maioria dos animais (humanos incluídos), chamamos de female choice. Há um excelente livro, chamado Sex wars (já pus o link na página “prateleira”), em que o autor detalha esse processo evolutivo, citando inclusive os bem menos comuns e curiosos casos de sistemas male choice, onde o macho escolhe a fêmea…

Logo, podemos concluir que entre os mamíferos, incluindo o ser humano, é um comportamento evolutivamente comum o macho procurar ativamente se aproximar da fêmea, e é um comportamento evolutivamente comum a fêmea ser o centro das atenções. Não estou querendo justificar nada, nem desculpar (no sentido original do termo) qualquer tipo de comportamento, estou apenas tentando estabelecer uma homologia para comportamentos em mamíferos, e mostrar que uma distinção comportamental fundamental entre homens e mulheres remonta a um período bem anterior à idade da pedra, e que não tem relação alguma com a suposta divisão de trabalho nos clãs primitivos. Além disso, é óbvio que comportamentos podem ser mudados: fêmeas da maioria dos mamíferos só aceitam o macho durante o estro, mas esse não é o caso nos hominídeos. Do mesmo modo, atualmente, não há mais porque as mulheres não flertarem ou darem cantadas nos homens: esse é um comportamento perfeitamente válido.

Mais um exemplo dessa distinção comportamental fundamental (a conjectura a seguir não é minha; na verdade, vi-a pela primeira vez num documentário, cujo título não me recordo): a homossexualidade. Lembro-me que, quando criança, um familiar meu dizia que o homossexual masculino era uma mulher presa no corpo de um homem. Com exceção de casos de transgêneros (como o personagem do bom filme “transamérica”), nada pode estar mais distante da realidade. Usando o jargão freudiano, homossexuais masculinos têm uma inversão do objeto sexual, mas são comportamentalmente masculinos. Sei que vão zombar da minha opinião, mas excetuando-se os homossexuais muito afeminados e cheios de trejeitos, gays são homens que gostam de homens, mas que se comportam fundamentalmente como homens. Senão vejamos: os homens dão mais importância à aparência física que a mulher, que geralmente dá mais importância ao comportamento. A primeira coisa que a maior parte dos homens observa numa mulher é o corpo – minha mulher sabe que, quando digo que “fulana é bonita”, não estou falando necessariamente do rosto. Ora, os gays, como homens, dão muita importância à aparência, e sabem que atrairão parceiros (igualmente homens quanto ao comportamento) cuidando de sua própria aparência. Daí a imagem moderna (e que já virou um mito) do gay como um “homem que se cuida”, divulgada em programas de TV como “queer eye for the straight guy”. Além disso, o homem típico não quer muita conversa: se der para ir às vias de fato o mais rápido possível, tanto melhor. Se a um homem fosse dada a chance de sair com 10 capas da Playboy (isso é uma metonímia: não estou falando das capas de papel…), praticamente nenhum titubearia. Assim, os gays, sendo homens, vão muito mais rápido ao sexo, pois ambos se comportam como homens: não temos aqui, portanto, a típica imagem do rapaz tentando despir a namorada, enquanto a moça tenta esfriar os ânimos do namorado. Ao contrário, ambos querem, e se dão ao direito de pular etapas, assim como um homem heterossexual pularia etapas se a mulher desse sinal verde. Daí, portanto, o mito de que o gay é promíscuo. Minha opinião é que o gay não é promíscuo, e sim o homem, seja ele homo ou heterossexual. Por que, então, criar um preconceito a respeito dos gays (como “os gays são inerentemente promíscuos”), imputando-lhes um comportamento que é dos homens em geral? Quero deixar claro que essa análise não deve ser usada para justificar eticamente qualquer que seja o comportamento, incorrendo mais uma vez numa falácia do apelo à natureza.

Penso, por fim, que a compreensão da história filogenética de certos comportamentos e o estabelecimento das relações de homologia comportamental pode ser bastante útil para as várias psicologias. É certo que não se pode pensar num animal da complexidade do ser humano como tendo todos os seus comportamentos filogeneticamente explicados. Contudo, ao tentar fugir do determinismo biológico, muitos se deslocam exageradamente no sentido oposto, imaginando que o ser humano nasce como uma tábua rasa e que é livre de qualquer comportamento geneticamente modulado, esquecendo que nós, como os outros animais, temos uma complexa história comportamental.

6 comentários sobre “Psicologia evolutiva, oogamia, homossexualidade e outros assuntos

  1. Ótimo post Gerard. Tenho a mesma opnião em relação à dita “promiscuidade’ dos gays homens. Não se escuta boatos de gays mulheres q anda se pegando (no sentido sexual) em banheiros de shopping. Já de homens, há. E muitos…

  2. Dias desses cheguei a mesma conclusão com relação aos gays serem vistos como promíscuos.

    Agora, uma coisa que não consigo encontrar explicações
    biologicas é exatamente o porquê de os homens ligarem mais para a aparência do que as mulheres. Será essa uma característica meramente cultural?

    • oi Natália,
      essa é uma boa pergunta.
      para compreender cientificamente esse aspecto do comportamento, creio que a primeira coisa a se fazer é descrever o comportamento em culturas diferentes… não tenho essa informação, e o que sei se baseia no comportamento dos homens ocidentais modernos (e no meu comportamento também!). comparativamente, num sistema “female choice”, isto é, em que as fêmeas escolhem os machos, não faz muito sentido os machos compararem a aparência das fêmeas, ou seja, o normal é que eles aceitem qualquer fêmea disponível. esse é um ponto a se discutir.
      quanto à explicação comum da psicologia evolutiva, que os homens escolhem as mulheres pela largura de seus quadris para serem boas parideiras, não a aceito nem a engulo de jeito nenhum. Que os homens ligam para aparência das mulheres é um fato, mas o atributo considerado varia muito entre as culturas. os brasileiros gostam de bumbum e coxas grossas, os americanos já preferem coxas mais finas e compridas, já os negros americanos o contrário, etc…
      uma outra possibilidade é avaliar até que ponto a falta de interesse da mulher pela aparência dos homens é biológica ou socialmente contruída, pelo histórico de repressão que só agora começa a mudar. eu penso ser mais provável essa última chance, e é cada vez mais comum as mulheres avaliarem os homens apenas baseando-se na aparência.
      abraço.

  3. Hey,
    I really liked the way you pointed guys’ behavior…I never thought about it before that is a classical mela behavior…makes completed sence to me …thanks for the info…AH! by the way I just started to study psychology, and I am in love with the nature and nurture…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s